segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Parte XXXXVII- Boas notícias no meio do caos

Ruth e Bárbara conseguiram chegar até uma delegacia e então fizeram a denúncia para a polícia. Surpreendentemente os policiais não esboçaram nenhuma reação ao que as duas haviam contado. O delegado pediu que as duas ficassem em uma sala de espera e saiu para falar ao telefone.
O radar de Ruth logo ligou:
-Bárbara, esses policiais não são honestos. Eles com certeza devem ganhar alguma propina do Diego. Precisamos fugir daqui. Vamos sair discretamente e pegamos o primeiro táxi que aparecer.
As duas saíram lentamente, mas o delegado percebeu e então mandou que dois dos seus policiais fossem atrás delas, quando perceberam que estavam sendo perseguidas correram para a rua, mas nesse meio tempo Ruth levou um tiro no ombro de um dos policiais. Bárbara continuou correndo com a amiga que sentia muita dor, para a sorte delas, em frente à delegacia havia um ponto de táxi. Ruth e Bárbara entraram esbaforidas dentro do táxi.
-Leve a gente para algum hospital - dizia Bárbara aos berros.
O táxista que automaticamente se envolveu em desespero saiu cantando o pneu.
Quando chegaram na emergência do hospital, as enfermeiras logo atenderam Ruth que foi encaminhada para a sala de cirurgia pois o ferimento sangrava muito e ela já não estava mais acordada.
-Cuida bem da minha amiga! - disse Bárbara para médico que estava responsável pelo caso de Ruth.
Com os nervos a flor da pele, Bárbara não conseguia pensar em nada. Começou a gritar no hospital aparentemente tendo um ataque de pânico.
Apesar do momento terrível, o grito de Bárbara foi reconhecido por Camila que estava em um dos quartos daquele hospital.
-Léo! É a Bárbara gritando no corredor! - disse Camila com os olhos arregalados
-Não pode ser! Vou averiguar - disse Miguel
Miguel saiu do quarto e foi ver quem estava fazendo aquele escarcéu todo. Avistou uma moça ensanguentada e com um ar de desespero. Ele então voltou e descreveu todas as características físicas de Bárbara para Camila.
- Léo! É a Bárbara! Pelo amor de Deus vá até ela e tenta descobrir o que houve. -disse Camila com esperança no olhar.
-Estou indo- disse Leonardo.
Leonardo saiu as pressas do quarto e conseguiu encontrar Bárbara que já estava para ser expulsa do hospital por causa da gritaria.
-Por favor! Não façam isso! Eu a conheço, pode deixar que vou acalmá-la, e então vocês não precisarão expulsá-la
-Bárbara naquele instante parou de se debater e olhou para Leonardo:
-Quem é você? - disse ela
-Sou amigo da Camila, e ele reconheceu sua voz do quarto dela.
- A Camila está viva? Não é possível! Você só pode estar brincando comigo -disse Bárbara aos prantos.
-Eu nunca brincaria com uma coisa dessas. Você mesmo pode ir visitá-la no quarto - disse ele sorrindo
-Sim! Eu quero vê-la agora! - disse Bárbara com um tom alto de voz.
-Calma! Vamos beber uma água para você se acalmar e depois te levo para o quarto dela.

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Parte XXXXVI - Fuga

Ruth tinha um canivete escondido em um compartimento secreto da sua bolsa que surpreendentemente ainda estava sobre sua posse.
-Bárbara, esse canivete vai salvar nossas vidas! Agora se prepara - disse Ruth respirando fundo.
Ruth ficou atrás da porta enquanto Bárbara começou a socar a porta e fazer um escândalo a fim de fazer com que o segurança abrisse a porta do quarto.
Quando o segurança entrou para fazer as moças calarem a boca, foi surpreendido com um golpe violento nas costas e caído no chão começou a gritar de dor e a sangrar.
Ruth e Barbara então correram sem direção pelo corredor comprido que estava diante delas. Elas viram de longe que Giovanna também estava fugindo e resolveram segui-la sem serem notadas.
Chegaram em uma sala com cheiro de mofo que tinha uma janela trancafiada que Giovanna facilmente abriu com as chaves que havia conseguido subornando um dos capangas de Diego.
Quando Giovanna abriu a janela, foi surpreendida por Ruth e Bárbara.
-Estava fugindo sem a gente? - disse Bárbara desapontada
-Eu não tive escolha -disse Giovanna friamente.
-Pois então, agora temos a chance de escapar! Então vamos parar de conversar e atravessa essa janela -disse Ruth com ar de compaixão.
-Vamos - disse Bárbara.
Todas elas conseguiram passar pela janela e aliviadas respiraram fundo.
Antes que Giovanna pudesse comemorar, Ruth atingiu ela com um golpe na cabeça com uma pedra da rua e na mesma hora Giovanna desmaiou.
-Agora vamos colocá-la de volta ao lar dela - disse Ruth pedindo ajuda de Bárbara
-Não podemos fazer isso! Ela vai morrer nas mãos daquele canalha quando descobrirem que ela tentou fugir. - disse Bárbara
-Para mim, pouco importa!  Ela não se preocupou em estragar com nossas vidas! Eu quero é que ela morra mesmo! -disse Ruth arrastando Giovanna desmaiada no chão.
Ela empurrou Giovanna pela janela e a deixou cair na sala com cheiro de mofo.
-Pronto Gi! Você está exatamente no lugar que deveria estar! Espero que viva seu "feliz para sempre" junto com os ratinhos e baratas dessa sala! - disse Ruth mandando um beijo irônico para a amiga que permanecia desacordada.
-Ruth, você não deveria ter feito isso! -disse Bárbara desesperada
-Agora já foi! E se a gente não correr, não vamos escapar! É melhor corrermos e procurarmos a polícia ou um lugar mais seguro - disse Ruth pegando a mão da amiga e correndo.

domingo, 8 de janeiro de 2017

Parte XXXXV - Frustração

Apesar do esforço de Giovanna, para elaborar um plano de fuga, Diego estava ouvindo a conversa das amigas através da câmera que havia no quarto, o que danificou todo o plano delas.
Quando Giovanna entrou em seu quarto Diego estava sentado poltrona com um olhar misterioso.
Foi se despedir das suas amigas? -disse ele olhando para Diego
-Do que você está falando Diego? - disse ela como se não se importasse.
-Venha cá! - disse Diego abrindo os braços e batendo nas pernas como sinal para ela sentar no colo dele.
Giovanna suou frio mas foi a caminho dele sentando no colo dele.
-Sabe Gi? Você foi uma das melhores coisas que me aconteceram! Imagina só se estaríamos aqui hoje se não fosse você? Se não fosse seu investimento na nossa empresa de tráfico, não estaríamos tão ricos! Então larga a sua falsa compaixão, porque todos sabemos que foi você que trouxe suas amigas para cá! Não adianta tentar se fazer de boazinha, pois você e eu sabemos que você não é! Se você levar para frente esse seu plano medíocre de fugir, eu corro atrás de você e mato você e suas amigas! Está me entendendo?Agora me dá um abraço que acho que você precisa! - disse Diego abraçando Giovanna como se não tivesse ameaçado matá-la.
Giovanna imóvel não sabia como lidar com aquela notícia.
-Agora, eu preciso resolver um assunto, então se comporte tá bem? Eu volto logo! - disse Diego com todo o sarcasmo possível saindo pela porta.
Giovanna naquele momento entendeu que toda a história de amor que ela idealizou não passava de um golpe de Diego. Se ela já se sentia um lixo por ter traído a confiança das amigas e por ter se tornado uma pessoa tão terrível, agora ela se sentia sem chão e sem nenhum motivo para permanecer viva. Naquele momento, as lágrimas de Giovanna já haviam secado, ela não conseguia mais chorar para expressar o desgosto que a vida dela havia se tornado.
Então ela disse para si mesma:
-Bom, já que é para ser má, vou ser má de verdade! Não compensa ser bondosa! Ser amigável só me fez cair em um golpe e em uma vida podre. Não preciso mesmo de amigas! Giovanna então deixou o plano de lado de salvar as amigas, e começou a arquitetar um plano para fugir sozinha.
Ruth e Bárbara haviam percebido que na sala delas havia uma câmera e chegaram a conclusão:
-A Giovanna não está do nosso lado! Precisamos arrumar um outro jeito de fugir! - disse Ruth para Bárbara.
-Sim! Ruth  nós vamos escapar dessa!- disse Bárbara.
Elas conversaram durante algum tempo e então arquitetaram um plano simples que tinha grandes chances de obter sucesso. E teria que dar certo, pois se não desse, o futuro delas seria totalmente destruído.

terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Parte XXXXIV - Uma saída?

Giovanna estava decidida a ajudar as amigas a fugirem, cedo ela preparou um café da manhã reforçado e foi levar até o quarto onde Ruth e Bárbara estavam.
-Bom dia meninas! - disse Giovanna com a voz quase sumindo.
-Bom dia? Bom dia Giovanna? Você enlouqueceu? Quem aqui está tendo um bom dia? - dizia Ruth aos berros
Lágrimas corriam do rosto de Giovanna enquanto a amiga gritava com ela com fúria no olhar.
-Não adianta você chorar Giovanna! Suas lágrimas não me comovem! Como ousa vir aqui com um café da manhã como se você fosse uma boa moça? Você não é uma boa moça! É uma arrogante cheia de inveja no coração! Uma desgraçada que resolveu desgraçar a vida de duas mulheres que não mereciam isso. - disse Ruth derrubando toda a bandeija do café no chão.
-Ruth, se acalme! -disse Bárbara assustada se virando para amiga que estava descontrolada
Giovanna ficou imóvel sem saber o que fazer.
-Calma? Você sabe o que está acontecendo? Estamos prestes a ser vendidas, vamos ser violentadas e nunca mais veremos nossas famílias - disse Ruth se rendendo as lágrimas também
As três então choraram juntas, um choro silencioso  sem soluços, apenas lágrimas caindo do rosto.
Giovanna respirou fundo e disse:
-Eu não sei como justificar a crueldade que cometi contra vocês, mas quero tentar de alguma forma ajudar vocês a fugir dessa enrascada.
-Como você fará isso? - disse Barbara com esperança no olhar
-Eu sei os horários de todos os seguranças e do próprio Diego, as 14h15 é o horário que a casa fica sem ninguém vigiando. Eu posso arrumar um jeito da gente pegar um dos carros e fugir.
-Você fugir? -disse Ruth
-Sim Ruth! Eu vivo um inferno neste lugar, todos os dias tenho que enganar outras mulheres e até crianças para que o negócio dê lucro. Não consigo mais conviver com isso! Estou aos pedaços por dentro. Tenho uma vida confortável financeiramente falando, mas não tenho paz. Talvez se nós fugíssemos juntas, eu poderia compensá-las de alguma forma pelo terrível erro que cometi!
-Giovanna! Eu te perdoo, mas precisamos saber se realmente está do nosso lado! - disse Bárbara enquanto Ruth permanecia muda.
-Estarei aqui as 14h10, até lá vocês devem se portar como se não soubessem disso! Agora eu tenho que ir porque se não vão suspeitar - disse Giovana indo em direção à porta
-Giovanna! -disse Bárbara
-O quê? - respondeu Giovanna
-Não nos decepcione de novo! Não aguentaríamos! - disse Bárbara com tristeza na voz
-Não farei isso! - disse Giovanna indo embora.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Parte XXXXIII - Conversa no hospital

Leonardo não demorou muito para chegar até o hospital. Chegando lá ele cumprimentou Carlos e Miguel e entrou no quarto onde Camila estava internada.
-Oi! Tudo bem? Eu sou o Leonardo.
-Oi! Que bom ver você  - disse Camila sorrindo mas com a voz baixa.
-Vim aqui para te ajudar a encontrar suas amigas! - disse Leonardo
Camila ainda estava bem abalada com tudo o que aconteceu e começou a chorar. Leonardo que era alguém sensível deixou Camila chorar e segurou uma das mãos dela com compaixão:
-Fique tranquila! Eu entendo o quanto é difícil para você essa situação e nem consigo imaginar o quanto você está sofrendo, mas ofereço meu total apoio, se preferir eu volto uma outra hora - disse Leonardo se levantando.
-Não! Por favor, fique aqui! - disse Camila segurando a mão de Leonardo
Leonardo sentou novamente na cadeira ao lado da cama de Camila e sorriu
-Obrigada por todo o seu apoio! Eu nem conhecia você,mas encontrei seu contato por um grande milagre. Eu realmente não sei o que aconteceu com a Giovanna, eu não era próxima à ela, só ouvia a Ruth falar dela, mas nunca tinha conversado com ela mas pelo o que a Ruth me contava ela era uma moça super sensível e de bem com a vida, mas a Giovanna que eu conheci não é assim... Ela mudou de alguma forma e levou a melhor amiga dela para o tráfico de mulheres. Quem em sã consciência faria isso? Sei que você é amigo dela, mas você precisa fazer alguma coisa a respeito ela não pode ficar impune! Você precisa encontrar minhas amigas, antes que seja tarde demais! - disse Camila enquanto lágrimas novamente molhavam seu rosto.
-Realmente Camila, eu não reconheço mais a Giovanna, perdemos o contato faz um ano e ela simplesmente se perdeu no caminho. Eu conheço ela e sei que ela é incrível, mas ela se deixou levar por suas próprias ambições egoístas. Não sei se você sabe, mas eu era apaixonado por ela (na verdade ainda sou), e mesmo assim entendo a gravidade da situação. Tenha certeza que eu farei de tudo para salvar suas amigas, mesmo que isso signifique ter que entregar Giovanna e Diego como cúmplices para a polícia.
-Leonardo, tome cuidado! Esse Diego é muito poderoso aqui na Europa, mesmo sendo bandido ele tem influência, você não pode simplesmente ir até lá e prender ele. Precisa de um plano bem elaborado para poder resolver essa questão.
-Sim! Concordo com você, por isso que vou me reunir com meus homens para traçarmos uma estratégia para pegarmos Diego de alguma forma, e resgatar Ruth e Bárbara o quanto antes! - disse Leonardo com firmeza na voz.

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Parte XXXXII - Mais uma chance

-Calma! Vocês não vão morrer! Garanto a segurança de vocês, se vocês me ajudarem a chegar até Diego.
-Mas como faremos isso sem ele descobrir?
-Seguinte: Vocês tem família? 
-Não - responderam os dois ao mesmo tempo
-Então vocês terão uma hora para juntar as coisas de vocês e fugirem para o Brasil.
-Mas como vamos fazer isso? Não falamos português - disse um deles
Leonardo que era poliglota, continuou conversando com eles em Holândes.
-Não se preocupem, vou mandar um dos meus homens para acompanhá-los, lá vocês ficarão em segurança. Mas precisam decidir agora, se vão ficar do meu lado, ou do Diego.
Ambos sem hesitar disseram que preferiam ficar ao lado de Leonardo que inspirava confiança e compaixão.
-Então, se preparem, o Afonso irá com vocês e ajudará vocês no que for necessário. Desamarrem eles disse Leonardo para um dos seus seguranças.
-Mas Sr Leonardo, tem certeza que eles merecem esse voto de confiança?
-Sim! Tenho certeza! Podem desamarrá-los.
Os dois foram desamarrados e em um ato pouco esperado abraçaram a Leonardo agradecendo pela chance que eles tinham ganhado.
-A melhor forma de me agradecerem é mudando de vida
-Tenha certeza que mudaremos - disse um deles.
Os três conversaram sobre o paradeiro de Diego e depois se despediram.
Leonardo percebeu naquele momento que aquela viagem seria muito mais difícil e dolorosa do que ele imaginava. Suor escorria do seu rosto e um turbilhão de pensamentos o incomodavam. No entanto ele não tinha tempo para repor as forças ou para descansar, então ligou para Carlos e disse:
-Carlos, daqui cinco minutos eu chego no hospital ok?
-Perfeito! A Camila está se sentindo bem e está conseguindo conversar. Será bom para ela receber sua visita.
-É um alívio para mim depois do que houve aqui ouvir isso de você. - disse Leonardo suspirando ao telefone
-O que houve? -disse Carlos preocupado
-Fui vítima de uma tentativa de sequestro. Os caras trabalhavam para Diego. 
-Você está ferido? Precisa de alguma coisa? -disse Carlos alarmado
-Fique tranquilo que estou bem! Quando chegar no hospital conversamos melhor tá bem?

domingo, 18 de dezembro de 2016

Parte XXXXI - Uma tentativa de sequestro

Leonardo não conseguiu pregar os olhos durante a viagem, por isso quando chegou em Amsterdã estava bem cansado. Quando o avião pousou, Leonardo se preparou para descer pegando sua mala de mão e seguindo rumo a saída do aeroporto, pegou o restante das malas. Ele chamou um táxi e fez check-in em um hotel simples que ele encontrou no catálogo entregue pela empresa de aviação.
Um simpático empregado do hotel, ajudou Léo a levar as malas para o quarto. Leonardo como sempre fazia, entregou uma gorjeta generosa para o rapaz e se despediu fechando a porta.
Leonardo sentou-se na cama e olhou para seus sapatos e ficou por alguns minutos olhando fixamente para eles, como se os seus pés pudessem trazer as respostas que ele precisava naquele momento, no entanto, a mente dele não estava ali e sim vagando em busca de alento que ele não encontrava lembrando de Giovanna, quando ele saiu do seu pequeno devaneio, ele pegou seu celular e ligou para um dos seguranças que estavam com Camila no hospital.
-Alô Guilherme? Tudo bem? Como estão as coisas no hospital?
-Está tudo bem Sr Leonardo! Eu e o Carlos não estamos deixando Camila sozinha nem por um instante.
-Isso! Continuem cuidando da segurança de Camila e me mantenham informado sobre qualquer novidade! Eu pretendo ir visitá-la no fim da tarde!
-Pode contar conosco Sr Leonardo! Estaremos vigilantes!
-Tenho certeza que sim! -disse Leonardo com calma na voz.
-Até mais Guilherme!
-Até mais!
Após desligar o telefone, Leonardo pegou a toalha preparada pelo hotel e foi tomar banho.
Sem que ele percebesse, dois homens entraram no quarto silenciosamente. 
Após sair do banho ele foi surpreendido com um golpe na cabeça e caiu desmaiado no chão. Neste meio tempo alguns dos seguranças de Leonardo entraram no quarto e imobilizaram os dois sujeitos que estavam tentando sequestrar Leonardo. Amarram eles nas cadeiras que tinham no quarto e prestaram socorro à Léo que estava desacordado. 
Quando Leonardo recobrou as forças sentiu uma dor na cabeça e olhando ao redor viu que seus seguranças estavam olhando para ele.
-Léo, você está bem? -disse um deles
-Sim! O que houve?
-Você quase foi sequestrado por esses dois homens que estão ali -disse o outro apontando para as cadeiras e para os homens amarrados e com aspecto muito assustado.
-Quem são vocês? Quem mandou vocês - disse Leonardo levantando da cadeira.
-Não podemos falar! -disse um deles
-Como assim não podem falar? Vocês invadem um quarto de hotel, tentam me sequestrar e não podem me falar quem mandou vocês fazerem isso?
-A pessoa que nos mandou fazer isso é muito perigosa! Estamos todos em perigo se eu não levarmos você para ele.
-Você sabe que eu tenho o poder de te mandar para a cadeia né? -disse Leonardo transtornado.
-Nós sabemos! Mas preferimos que você nos mate agora do que irmos para cadeia-disse um deles.
-Porque tanto medo da cadeia? -disse um dos seguranças de Leonardo.
-Na cadeia, seremos punidos de maneira extremamente cruel - disse um dos sujeitos.
-Mas é o que merecem mesmo! Todo ato tem uma consequência! - disse Leonardo
-Você não está entendendo! Diego é um dos criminosos mais perigosos da Europa, se formos para cadeia ele nos achará lá e nos fará pagar por não ter cumprido a missão que ele nos deu.
-Então foi o Diego que mandou vocês? -disse Leonardo sem espanto algum
-Você não podia ter contado! Agora vamos mesmo morrer! -disse um deles com desespero na voz.